Nada permite supor que, nos próximos tempos, não se produzam no nosso país novas manobras e simulações de guerra, sobretudo quando a emergência de novos atores principais no plano geopolítico ameaça a hegemonia do império — indiscutida durante décadas — e a miragem do mundo unipolar que dava sustento prático à sua ideologia ultracapitalista.