Por mais que a Assembleia Geral da ONU possa ser contrária, a resolução do bloqueio, que, como ação punitiva é reconhecido como “ato de guerra” desde a Conferência Naval de Londres de 1909, corresponde unicamente ao Conselho de Segurança da ONU, onde os Estados Unidos têm também o tão democrático direito de veto.