Se Foucault assinalava que ali onde há poder, há resistência, também o contrário é certo: ali onde os povos reagem, o imperialismo conspira para fulminá-los, ainda que tenha que abandonar os seus próprios “filhos de puta”, segundo a célebre definiçom de Roosevelt